Frutas Equatoriais: 15 Tipos de Frutas do Brasil

FRUTAS EQUATORIAIS

Frutas Equatoriais gostam de clima quente e úmido, no Brasil podemos destacar a Região da Amazônia, norte de Mato Grosso e oeste do Maranhão, nas proximidades da Linha do Equador.

Nosso planeta é composto por climas diversos, os quais são formados com base em três características principais, sendo elas a temperatura, a umidade e a pressão atmosférica. Existem ainda vários fatores climáticos que alteram as condições do clima de um determinado local, como a latitude, a altitude, as massas de ar, a continentalidade e a maritimidade, as correntes marítimas, a vegetação e o relevo.

O Clima Equatorial é mais um dos climas existentes no globo terrestre, e como o próprio nome diz, ocorre nas regiões próximas da Linha do Equador, onde se encontram as frutas mais saborosas.

Frutas Equatoriais Mais Conhecidas no Brasil

1- Frutas Equatoriais: Abiu ou Abieiro

Frutas Equatoriais: Abiu ou Abieiro

O abiu, abieiro, abiurana, abiurana-acariquara, abiorama, abio ou guapeva ou cabo-de-machado (região Centro-Oeste) (Pouteria caimito) é uma árvore frutífera da família Sapotaceae, nativa da Amazônia Central e da Mata Atlântica costeira do Brasil.

A árvore é perenifólia, lactescente, com altura de 6 a 24 m. As folhas, cartáceas, são glabras, dispostas na extremidade dos ramos, e medem de 5 a 20 cm de comprimento. As inflorescências em fascículo ficam sobre os ramos finos, e as flores miúdas são perfumadas. Formam-se em dezembro-janeiro no sudeste.

O seu fruto globoso ou elipsóide apresenta coloração amarela e algumas variedades apresentam várias estrias verdes que riscam o fruto no sentido longitudinal. Possui casca lisa, baga translúcida, branca ou amarela, mucilaginosa e doce; pode conter em seu interior de 1 a 4 sementes lisas e pretas. Amadurece entre maio e novembro.

É consumido somente ao natural. Apesar de todas as suas excelências e qualidades, o abieiro permanece, no Brasil, como árvore frutífera de quintal e de pomares não-comerciais.

2- Frutas Equatoriais: Abiu Cutite ou Tuturubá

Frutas Equatoriais: Abiu Cutite ou Tuturubá

Abiu-cutite ou Tuturubá, nome científico Pouteria macrophylla) é uma árvore originária da Amazônia brasileira, pertencente à família Sapotaceae. Popularmente chamada de cutite, também é conhecida por outros nomes, como acara-uba, cortiça, banana-do-mato, juturuba, taturuba e abiurana.

Sua madeira é pesada, mas se presta apenas para pequenos serviços da construção civil, sem valor comercial. Não há informação de qualquer finalidade terapêutica. Os seus frutos são avidamente disputados por homens e animais. Pode atingir a altura de 25 metros.

3- Frutas Equatoriais: Abiu do Cerrado

Frutas Equatoriais: Abiu do Cerrado

A espécie Pouteria ramiflora Radlk, popularmente conhecida como curriola, Abiú do Cerrado, ou abiu-piloso, é uma espécie frutífera, de hábito arbustivo-arbóreo, amplamente distribuída em áreas de Cerrado. Os frutos apresentam cheiro forte e sabor agradável, de coloração esverdeada e polpa branca, sendo apreciada pelas populações locais na forma de suco ou in natura.

Árvore de até 6 m de altura, tronco com casca de coloração acinzentada. Folhas duras, verdes na face superior e ligeiramente ferrugínea na inferior. Flores pequenas. Árvore muito lactescente de 4 a 8 metros quando cultivada (ou até 35 m quando na mata da floresta amazônica) com copa em forma de taça com galhos em formação de leque e bem distribuídos com graduação de 45 a 75 graus de distancia.

Os frutos são bagas ovaladas de 5 a 9 cm de diâmetro com casca amarelo esverdeada, levemente tomentosa (coberta de lanugem) com polpa branca, leitosa, as vezes bem liquida com sabor de leite com açúcar, envolvendo 1 ou 2 sementes. Curriola ou Currioba vem do Tupi, e significa ”Fruta que deixa escorrer leite”. Também é chamada de Abiu-carriola, Leiteiro preto, Grão de Galo, Pitomba de Leitte e Guapeva pilosa.

4- Frutas Equatoriais: Abiu Piloso ou Pouteria Torta

Frutas Equatoriais: Abiu Piloso ou Pouteria Torta

Pouteria Torta é um espécie de planta na família Sapotaceae. É encontrada no Brasil desde a Amazônia até o Paraná, ocorre na beira de rios e em solos férteis de meia encosta. Conhecido como Abiurana – “fruta semelhante ao abiú”, também chamada de abiu piloso, abiu do cerrado, aça, grão de galo, guapeva, guapeba, jabuticaba de macaco e mococó de ema.

A planta é composta por uma árvore de 4 a 8 metros (chegando até 35 m quando na mata da floresta amazônica) com copa no formato de guarda chuva. O troco geralmente é cilíndrico e retorcido medindo 30 a 100 cm de diâmetro; com casca acastanhada ou acinzentada e fissurada ou sulcada. Os frutos são bagas arredondadas de 4 a 6 cm de diâmetro com casca amarela e pilosa com polpa branca, gelatinosa e com algum látex, mais muito doce, abrigando 1 a 4 sementes.

5- Frutas Equatoriais: Abiu Roxo ou Caimito

Frutas Equatoriais: Abiu Roxo ou Caimito

O Abiu Roxo ou Caimito, também designado por camitié, abio ou abio-do-pará ou ainda aguaí, é uma árvore sapotácea (Chrysophyllum cainito, L.). Em Portugal, é conhecido como cainito, ciniti, caninquié.

Arbusto do país (Brasil), das Antilhas e de Caiena, onde recebe este nome; o fruto de seis centímetros de comprimento; de ordinário arredondado, oblongo, amarelo e pontiagudo; a casca fina, dura e viscosa, contem uma massa viscosa e branca, e caroços arredondados, que são escuros e lisos; come-se a fruta que de gosto agradável. Os abios cultivados são melhores o maiores do que os silvestres.

6- Frutas Equatoriais: Açaí

Frutas Equatoriais: Açai

O açaí (nome científico: Euterpe oleracea), é uma palmeira que produz um fruto bacáceo de cor roxa, muito utilizado na confecção de alimentos e bebidas. A palmeira do açaí é por vezes confundida, no estado do Pará, com a palmeira juçara, embora juçara seja outro tipo de palmeira, que dá palmito de excelente qualidade. O termo “açaí” é oriundo do tupi yasa’i, “fruta que chora” “terra”, numa alusão ao suco desprendido pelo seu fruto.

O açaí é um alimento muito importante na dieta dos nortistas do Brasil, onde seu consumo remonta aos tempos pré-colombianos. Atualmente, é cultivado não só na Região Amazônica, mas em diversos outros estados brasileiros, tendo sido introduzido no resto do mercado nacional durante os anos 1980 e 1990. Os estados do Pará, Amazonas e Maranhão, no Brasil, são os maiores produtores da fruta, sendo, juntos, responsáveis por mais de 85% da produção mundial.

O açaí é muito consumido como suco ou pirão e cujo gomo terminal constitui o palmito. Assim, pode ser consumido na forma de bebidas funcionais, doces, geleias e sorvetes. O fruto é colhido por trabalhadores que sobem nas palmeiras com auxílio de um trançado de folhas amarrado aos pés, a peconha.

Para ser consumido, o açaí deve ser primeiramente despolpado em máquina própria ou amassado manualmente (depois de ficar de molho na água), para que a polpa se solte e, misturada com água, se transforme em um suco grosso também conhecido como vinho do açaí.

7- Frutas Equatoriais: Marmelada Nativa ou Puruí

Frutas Equatoriais: Marmelada Nativa ou Puruí

Marmelada Nativa ou Puruí (Alibertia edulis), é uma espécie do gênero Alibertia pertencente a família Rubiaceae. É uma árvore perene dioica com até 7.5 m de altura. As flores são tubulares em formato de trompete, brancas, com pelos, com 4 ou 5 pétalas. O fruto é amarelo, em formato de ovo, comestível e usado para fazer sucos. Estes, são coletados a partir de árvores selvagens, e raramente é cultivada. Conhecido popularmente por marmeleiro, é típico da América do Sul, sendo encontrado no cerrado.

8- Frutas Equatoriais: Murici ou Muruci

Frutas Equatoriais: Murici ou Muruci

O Murici ou Muruci (Byrsonima crassifolia), também conhecido como murici-da-praia ou murici-do-brejo, é uma árvore da família Malpighiaceae, ordem Malpighiales, nativa do norte e nordeste do Brasil.

Sua altura média é de 6 a 16 m, suas folhas são simples, lisas, e atingem em torno de 13 cm. Suas flores são em forma de cachos amarelos, seu fruto é pequeno, em torno de 0,8 cm e em cacho. Quando maduro fica mais macio, porém continua de cor verde. Suas sementes geralmente atingem o tamanho de 0,5 cm de comprimento, e são de um marrom-claro.

Esta árvore é freqüente nas regiões de terrenos úmidos, próximos a rios e lagoas. Não é conhecida a utilização em paisagismo, apesar de sua beleza, especialmente quando em floração. Existem outras espécies de murici, inclusive arbustos, e a característica de todas elas é o fruto pequeno e comestível, de sabor ácido.

Fruta nativa do Norte e Nordeste brasileiro, é encontrada em regiões serranas e próximas ao litoral. Já conhecida desde 1570 pelos indígenas como mureci. Hoje conhecida como murici, murixi, muruci e fruta de jacu. A cor amarela, quando madura, chama a atenção. Apesar do tamanho pequeno possui sabor e cheiro intensos e característicos, não se comparando a outro fruto. Pode ser usada na fabricação de sucos, doces, licores, geléias e sorvetes.

9- Frutas Equatoriais: Monguba ou Munguba

Frutas Equatoriais: Monguba ou Munguba

A Monguba ou Munguba (Pachira aquatica Aubl.) é uma árvore da família Malvaceae ou Bombacaceae nativa da América Central e do Sul. A Pachira aquatica, conhecida vulgarmente como castanhola, castanha-do-maranhão, carolina, paineira-de-cuba e mamorana, é uma árvore frondosa, cujas folhas pecioladas e digitadas apresentam de 5 a 9 folíolos verde-escuros. Suas flores com 5 pétalas muito grandes são castanho-avermelhadas. As sementes são comestíveis.

Estudos desenvolvidos sobre a composição das sementes demonstram que a Pachira aquatica tem um elevado teor de óleo (44,1 por cento), sendo o ácido palmítico o seu principal componente. Observou-se, também, a existência de proteína com alto teor de triptofano. Testes toxicológicos realizados sobre a Pachira aquatica demonstraram discreta toxicidade e não apresentaram evidências citotóxicas, não tendo sido observada atividade bactericida.

10- Frutas Equatoriais: Murumuru

Frutas Equatoriais: Murumuru

Murumuru é uma planta. Industrialmente, o óleo de murumuru (Astrocaryum murumuru Mart, Bolivia ‘chonta’, ‘chontaloro’, ‘pani’ ou ‘schibo’, Brazil ‘murumuru’, Colombia ‘chechana, ‘totose’, Ecuador ‘Huiango’, ‘Unan’, Venezuela ‘Orocori’) é obtido pela prensagem das sementes ou das amêndoas em prensas cêsto ou “expeler”, havendo necessidade de moagem preliminar, com moinhos de discos, fortes e resistentes, devido à dureza do material. O rendimento das prensagens raramente excede 34%.

Os frutos são constituídos de uma polpa amarelada (28%) e semente (72%). A gordura do murumuru é branca, com muito pouco cheiro e nenhum gosto especial. No clima do Pará conserva-se com uma consistência pouco superior a da vaselina. Ela tem um ponto de fusão superior ao do palmisto e do côco, que a faz ser procurada para ser misturada às gorduras vegetais que fundem a uma temperatura mais baixa. Esta gordura tem a grande vantagem de uma baixa acidez, especialmente se preparada com amêndoas frescas. Quando exportadas para a Europa, elas chegam com uma acidez de 4-5% enquanto que a do palmito tem acidez às vezes superior a 25%.

A manteiga de murumuru é emprega em loções, cremes, sabonetes condicionadores capilares, máscaras faciais, shampoo, óleos e emulsões, hidratante de pele, produtos para nutrição dos cabelos e restauração de cabelos danificados, ceras depilatórias. Pode ser indicado para o uso em outros produtos como: creme de pentear (cabelo crespo), maquiagem,creme pós-depilatório.

11- Frutas Equatoriais: Sapota ou Sapoti

Frutas Equatoriais: Sapota ou Sapoti

A Sapota ou Sapoti (Manilkara achras/Achras zapota) o Sapotizeiro é uma árvore da família Sapotaceae que produz um fruto comestível.É originário da América Central, desenvolvendo-se em regiões de clima subtropical da Ásia, América e Oceania. Na Índia, existem cerca de vinte variedades.

Em muitas regiões, o fruto deste árvore pode ser comido ao natural, se bem que ele também pode ser muito conveniente na confecção de doces. Seu látex é utilizado para fabricação de goma de mascar (chicle ou chiclete), cabos de ferramentas e móveis. As sementes de sapoti trituradas em decocção são diuréticas e úteis no tratamento da litíase vesical. A casca da árvore em decocção é febrífuga e adstringente.

12- Frutas Equatoriais: Sapota do Solimões

Frutas Equatoriais: Sapota do Solimões

A Sapota do Solimões (Matisia cordata H.B.K.; Bombacaceae) é uma árvore brasileira.

Sinonímia: Sp: zapote de monte, mamey colorado (Venezuela), sapote, zapote chupa chupa (Colômbia), sapota, milinillo (Ecuador), zapote (Peru); Po: sapota, sapota-do-peru; En: sapote; Fr: sapote du Pérou.

Sinonímia botânica: Matisia cordata Humb.& Bonpl., Quararibea cordata (Humb. & Bonpl.) Vischer.

13- Frutas Equatoriais: Tamarindo

Frutas Equatoriais: Tamarindo

Tamarindo (Tamarindus) é um gênero botânico pertencente à família Fabaceae. É um gênero monotípico, tendo apenas uma espécie, Tamarindus indica. Seus nomes populares são tamarindo, tambarino, tamarindeiro, tamarineira, tamarineiro, tamarina e jubaí. O termo “tamarindo” origina-se do árabe تمر هندي [tamr hindī], que em português significa “tâmara da Índia”. A palavra chegou à língua portuguesa pelo latim medieval tamarindus, daí a denominação do gênero, em latim científico, Tamarindus (1753). “Jubaí” se originou do tupi yu’aí.

O tamarindeiro, tamarineiro ou tamarineira (Tamarindus indica L., Sp. Pl. 1: 34. 1753), é originário das savanas africanas, embora seja cultivado principalmente na Índia. No Brasil, o fruto é bastante consumido nas regiões Norte e Nordeste. Árvore bastante decorativa, sua altura pode chegar aos 25 metros. O tronco divide-se em numerosos ramos curvados, formando copa densa e ornamental; as folhas são compostas e sensíveis (fecham por ação do frio), flores hermafroditas amarelas ou levemente avermelhadas (com estrias rosadas ou roxas) que se reúnem em pequenos cachos axilares.

O fruto, tamarindo ou tamarino, é uma vagem alongada com 5 a 15 cm. de comprimento, com casca pardo-escura, lenhosa e quebradiça; as sementes em números de 3 a 8 estão envolvidas por uma polpa parda e ácida contendo açucares (33%), ácido tartárico (11%), ácido acético, ácido cítrico. Cem gramas de polpa contêm 272 calorias, 54 mg. cálcio, 108 mg. fósforo, 1 mg. de ferro, 7 ug. Vit. A, 0,44 mg. Vit. B e 33 mg. Vit. C. A polpa, com sabor agridoce, é usada no preparo de doces, bolos, sorvetes, xaropes, bebidas, licores, refrescos, sucos concentrados e ainda como tempero para arroz, carne, peixe e outros alimentos.

14- Frutas Equatoriais: Crateva Tapia ou Trapiá

Frutas Equatoriais: Crateva Tapia ou Trapiá

Crateva Tapia ou simplesmente Trapiá é uma espécie de árvores ou arbustos, sendo o único membro do gênero monotípico Crataeva, pertencente a família Capparaceae. É uma espécie nativa das Américas.

São árvores ou arbustos que variam de 2 a 25 metros de altitude, com uma coroa de até 20 metros de diâmetro. Possuem uma crosta marrom opaca, que varia desde tons claros até tons mais escuros. Possuem também galhos largos e estreitos variando de 8 a 13 cm de comprimento e 2 a 9 cm de largura.

É uma espécie comum em florestas secas e áreas com solos arenosos, especialmente na altitude de 0-500 metros. Distribui-se intensamente entre o México e a Amazônia. Quando cresce em clima seco, é muito semelhante a Cucurbita palmeri.

15- Frutas Equatoriais: Uricuru

Frutas Equatoriais: Uricuru

Attalea phalerata, conhecido popularmente como urucuri, ouricuri, aricuri, alicuri, aricuí, iricuri, uricuri, licuri, urucuriiba, licurizeiro e nicuri (ou shapaja em espanhol), é uma palmeira que atinge mais de trinta metros de altura. É encontrada no Brasil, Bolívia, Paraguai e Peru.

Suas sementes são dispersas por antas, que engolem os frutos inteiros, também por emas, cutias, roedores, carcarás e araras-azuis-grandes. A bainha foliar acumula sementes de outras plantas, que são depositadas aí ocasionalmente por morcegos. As sementes podem germinar e gerar epífitas. É polinizada por besouros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *